Se você não é da área de moda e um dia resolver vender uma roupa, provavelmente terá dificuldades em colocar preço na peça. Se não atua em concessionária é normal que fique na dúvida ao colocar seu veículo à venda. E se não é do ramo imobiliário é ainda mais compreensível não saber o valor ideal para precificar o aluguel do seu imóvel. 

Independente do segmento, um detalhe é fundamental para saber quanto cobrar de aluguel: é necessário ter conhecimento do mercado, pesquisar referências e buscar profissionais especializados para orientá-lo a calcular e definir o preço adequado.

Valor correto pode definir a locação

No caso dos imóveis essa definição é importante para que você não tenha prejuízos. Afinal, se o valor do aluguel for inapropriado é possível que a casa ou apartamento fique vago, sem locatários, o que gera gastos com IPTU, condomínio, entre outras taxas que continuam a ser de sua responsabilidade.

No aluguel de imóveis, talvez mais até do que em outros setores, a precificação é um detalhe fundamental para fechar negócio. E por isso deve ser pensada e definida seguindo alguns critérios. Para te ajudar a precificar o imóvel corretamente apresentamos a seguir as principais dicas que farão seu imóvel ter o preço justo, tanto para você como para os locatários.

Como saber quanto devo cobrar de aluguel? 

No mercado há diferentes metodologias para saber quanto você deve cobrar de aluguel e você pode optar por aquela que mais se encaixa à realidade da sua casa ou apartamento. Um dos métodos mais utilizados é o comparativo: você pode fazer a comparação de imóveis com características semelhantes ao seu para a definição do valor da locação. 

Outro critério bastante adotado é ter como referência o preço do metro quadrado da região. Geralmente o aluguel deve corresponder de 0,5% a 1% do valor líquido do imóvel, sem incluir taxas como IPTU, condomínio e outras.

No entanto, apesar de tradicionais, a análise de mercado e comparação com imóveis similares e o valor do metro quadrado não podem ser os únicos fatores considerados para a precificação. Há alguns outros itens que devem ser verificados até chegar no valor ideal. 

Confira!

Localização

Sem dúvidas o endereço do imóvel é um dos critérios que mais interfere no valor, seja para locação ou venda. Quanto melhor a localização, mais fácil acesso a vias principais, maior a proximidade a serviços diversos como supermercado, farmácia, escolas e universidades, restaurantes, unidades de saúde, postos de gasolina e comércio em geral e mais valorizado é o imóvel.

A localização representa também a segurança da região e a vizinhança. Quanto mais tranquila e agradável, com menos ruídos e mais segura, mais elevado será o preço da locação.

Estado de conservação do imóvel 

Há quem diga que quanto mais antigo o imóvel, mais desvalorizado. E até pode ser verdade. Mas há como reverter isso. Basta você dar uma cara nova ao espaço. Não interessa muito se a casa ou o apartamento é recém inaugurado ou já está há anos no mercado: a conservação é quem dita a regra e, claro, o preço. 

Procure manter o imóvel na melhor condição possível. Faça as benfeitorias necessárias para que o locatário se sinta em casa assim que entrar, mesmo que o condomínio seja mais velho e não esteja nas melhores condições. 

Quantidade de cômodos

O número de cômodos e o tamanho do imóvel estão diretamente relacionados ao valor do metro quadrado da região. Portanto, quanto maior o imóvel, com maior número e melhor distribuição dos cômodos, mais elevado será o valor cobrado. 

Mobília

A mobília é um elemento que agrega e muito o valor da locação. Além de facilitar extremamente a vida de quem vai se mudar, especialmente se houver armários planejados e eletrodomésticos. 

De maneira geral, para imóveis mobiliados você pode cobrar de 20% a 30% a mais no preço do aluguel. Vantagem para você e para seu inquilino já que é só entrar e morar. 

Recentemente publicamos um conteúdo no blog sobre o assunto, clique para conferir: Vale a pena alugar mobiliado?

Pavimento

Esse quesito é fácil: quanto mais alto o apartamento, mais alto o valor do aluguel. E não é pouco. Em um mesmo prédio, a diferença de valor entre o primeiro e o último andar pode ser maior do que 50%. 

E por que varia tanto? Basicamente pela vista que, geralmente, fica melhor a cada andar a mais. Os ruídos também influenciam. Quanto mais alto, independente da movimentação da rua, menos interferência externa e mais sossego dentro de casa.

Garagem

Não esqueça da garagem. A vaga para os veículos poderia até mesmo ser considerada como um cômodo a mais. Pelo menos para precificar o valor do aluguel do imóvel, sim. Imóveis com garagem têm aceitação maior e esse fator também deve entrar no preço da locação.

Infraestrutura do condomínio

Além da garagem, a área externa também interfere na precificação. A infraestrutura do condomínio é diretamente proporcional à valorização do seu imóvel. Espaços como salão de festas, piscina, academia, playground, elevador, entre outros, agregam valor ao bem como um todo e também somam ao aluguel.

Mercado Imobiliário

Você também precisa estar atento à realidade do mercado imobiliário da sua região. Antes de definir o valor que vai pedir pelo seu imóvel verifique a situação atual do segmento que, quando está aquecido, tende a beneficiar todos os proprietários com a elevação geral dos preços de locação e vendas. 

Reajuste do aluguel

Depois de definido o valor da locação e de fechar o negócio, certamente, uma nova dúvida vai surgir: quando você deve reajustar o preço do aluguel? Neste caso, o mercado e legislação te ajudam. 

A Lei do Inquilinato, nº 8.245/1991, regulamenta o reajuste do valor, que deve estar em comum acordo entre as partes. Os critérios para o novo preço devem estar descritos no contrato de locação. 

Há vários índices utilizados para calcular o reajuste do aluguel. Proprietário, inquilino e imobiliária devem escolher qual querem seguir. No Brasil, em geral, os contratos de aluguel são reajustados pelo INCC (Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado) ou pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), dois índices calculados de acordo com a inflação no país. De toda forma, só há reajuste no vencimento do contrato. 

Independente de o reajuste ser no início ou na renovação da locação, você não precisa se preocupar com essas questões. Deixe seu imóvel com a experiência de quem mais entende do assunto. 

Conte com ajuda especializada para saber quanto cobrar de aluguel

Se mesmo com as dicas acima você ainda tem dúvidas, opte por uma orientação especializada e busque profissionais para te ajudar a definir o valor de aluguel correto. Na Terraz, por exemplo, você encontra todo o auxílio para encontrar o preço ideal para seu imóvel. 

Além da experiência sobre os valores aplicados em cada região, a imobiliária ainda realizará uma avaliação na casa ou apartamento, ajudando a chegar no melhor valor.